segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Soneto I


É bom, de tempos em tempos, vasculhar a caixa de e-mails. Hoje, procurando nas correspondências de oito anos atrás, encontrei este soneto que segue e que, pela primeira vez, me pareceu simpático. Então, aí vai.

Soneto I

Julgaste bem a apelação que fiz
Os erros deveriam ser esquecidos
Sabes que não agi como quis
- Cuidados com um coração sentido

Agora, a proximidade desconcerta
Tua mão fria fere meu corpo quente
Doce ferimento que n'alma acerta
- Mais um querer descontente

Sentada, provocas com o olhar
Teu sorriso que nunca deixei
Me chama, bússola no mar

E sabendo que o perdão ganhei
Ofertarei o sol, o luar
E o beijo, que muito queria e não dei